A aventura do méthodo

August 28, 2018

 

 

24 de julho de 2018, Cambury, Litoral Norte

 

Como escrever sobre algo que deve ser vivido. Presenciado. O méthodo é mais que tudo uma experiência, algo que se sente na pele, que engasga na garganta. Mas devo tentar falar dele, sobretudo fazer ou tentar fazer alguém vivenciá-lo através da letra, da palavra, da sentença. Como fazer isto? Não sei. Como algo que não está aqui pode estar aqui? Méthodo, tento me lembrar de quando me referi a ele assim? Quando isto começou, quando o chamei assim. Nisto de lembrar, me lembro de quando comecei a unir artes plásticas com pedagogia. Já faz um bom tempo. Depois de quando esta palavra discípulo encontrou um lugar no méthodo. Me vêm muitas perguntas. É muito chato escrever assim. De maneira histórica e linear. Prefiro a linguagem conotativa e poética. Dizer por exemplo que o méthodo é o méthodo, e ele não serve para todos, é uma descoberta, é um vão, um vão na ossatura do sujeito. Um rasgo. Um grande, imenso rasgo na pele de tudo que é linear. Retilíneo. O méthodo é o méthodo: isto é um não méthodo.

Parte 2

 

Abordar algo pelas beiradas - contorno do animal selvagem faminto rondando a presa. Estratégia milenar de sobrevivência, introduz-se aqui a coisa, algo, a caça — a caçada, saio no meio da noite em busca do que me é querido, saio de mim, saio apenas — pesca, caça, tudo é escuro, sorrateiro, os livros são largados, nesta jornada não posso levar nada, tenho que ir de mãos vazias, tenho que deixar meus mitos. Seguir em frente como um homem sozinho, escrever — escrita, o texto, as origens, as interferências, como superá-las? Estar num estado onde a escrita realmente possa acontecer? Isto é o quê? Vazio. Estado bruto de ser. Como capturar este estado onde o animal ronda? Ainda sem definição meu texto? A letra não tem forma ou conteúdo. Assim arrasto a coisa por um longo caminho sem nenhuma significação louvável, estado ruim para o linear. O Ousado do texto não cabe conforme quer o bom senso do dizer. Dizer requer insensatez. Insensatez requer muito plano. Muito plano requer um método, um método requer assaltos, assaltos requerem um corpo, um corpo requer: sacrifício. Sem sacrifício não tenho onde morar, sem moradia minha vida não tem ronda: nem requer nada.

Tags:

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

October 24, 2018

October 22, 2018

October 16, 2018

October 16, 2018

October 16, 2018

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Atelier do Centro - G1

Rua Epitácio Pessoa, 91, República, São Paulo

3129-3977 // 99537-5396 (RES)

Segunda à sexta: 8h às 17h

atelierdocentro@gmail.com

Galpão do Centro - G2

Rua Teodoro Baima, 39, República, São Paulo

CECAC - Centro de Estudos Conglomerado

Atelier do Centro - G4

Rua Teodoro Baima, 51, SL 1, República, São Paulo

Atelier do Centro - G5

Rua Teodoro Baima, 88, República, São Paulo

Coleção Àlex Muñoz - G6

Carrer del Segle, 5, Premià de Mar

08330 - Barcelona, España

OPCAC - Oficina Prática Conglomerado Atelier do Centro

Rua Teodoro Baima, 39, República, São Paulo

www.opcac.xyz

Vernacular - Editora Atelier do Centro

www.ccsvernacular.com

www.medium.com/@carolccs

  • YouTube
  • Instagram