Carta aos deuses

Pedido de ajuda

Res, dia 11 de setembro de 2018

  1. O que é a loucura mesma? Como não enlouquecer, como não enlouquecer do veneno diário de ser medíocre? De ser vazio e mesquinho? Como posso superar o espaço em branco entre eu e a eternidade?

  2. Como transformar pesadelos em sonhos? Como (cerzir) cingir meu destino junto com os deuses? Como transformar minha vida no que eu realmente quero? Mas como posso querer isto, sem antes saber o que eu quero? E o que eu quero? Quero ao menos saber o que eu quero? Mas sei que não posso mesmo saber o que eu quero, porque o que eu quero na sua crueldade máxima despiria o divino na minha frente, não poderia suportar isto. A nudeza do divino. Precisamos de máscaras protetoras, precisamos estar escondidos, precisamos do sono, do apagamento, quanto mais luz mais mistério, quanto mais mistério, mais reentrâncias, irradiações, estou tentando expor o estado da coisa em carne viva, a tragédia. E a tragédia é esta: estamos de passagem e não sabemos para onde estamos indo. Quero nesta vida cavar minha parte de resposta, quero ser parte da resposta para onde estou sendo em mim? Como artista quero dar parte da resposta de para onde estamos indo quando estamos indo. Estar no trajeto, na trama, não quero estar fora da trama, não me cabe mais respirar o ar ralo das planícies, preciso do abismo, do cume das montanhas. Da matéria viva que tece o vento e o ar rarefeito. De mim matéria inquieta, matéria altamente inflamável, tenho pouco tempo antes de ser devorado pelos bichos (meus algozes), os bichos do meu destino; neste meio tempo tenho uma obra para fazer, obra aqui nada mais é do que: implorar sanidade, escolher a palavra única que me põe em embate, que aciona o gatilho da minha sina que é só minha e de mais ninguém. Não posso ser covarde e deixar de cumprir meu destino, nem que para isto eu me humilhe, me rebaixe, entorte a cabeça, enfim com as mãos pensas, continuarei, mesmo, como um cão enxotado, ainda vou continuar indo. Meu destino é invadir o mistério, ainda que o preço seja...

Atelier do Centro - G1

Rua Epitácio Pessoa, 91, República, São Paulo

3129-3977 // 99537-5396 (RES)

Segunda à sexta: 8h às 17h

atelierdocentro@gmail.com

Galpão do Centro - G2

Rua Teodoro Baima, 39, República, São Paulo

CECAC - Centro de Estudos Conglomerado

Atelier do Centro - G4

Rua Teodoro Baima, 51, SL 1, República, São Paulo

Atelier do Centro - G5

Rua Teodoro Baima, 88, República, São Paulo

Coleção Àlex Muñoz - G6

Carrer del Segle, 5, Premià de Mar

08330 - Barcelona, España

OPCAC - Oficina Prática Conglomerado Atelier do Centro

Rua Teodoro Baima, 39, República, São Paulo

www.opcac.xyz

Vernacular - Editora Atelier do Centro

www.ccsvernacular.com

www.medium.com/@carolccs

  • YouTube
  • Instagram